Stephen Breyer anuncia aposentadoria com Biden em evento na Casa Branca

Quando surgiram as notícias da aposentadoria esperada do juiz Stephen Breyer na quarta-feira, uma das maiores questões que o presidente Biden enfrentou imediatamente foi se ele planejava nomear uma mulher negra para a Suprema Corte, como havia prometido durante sua campanha presidencial.

Biden confirmou na quinta-feira durante comentários com Breyer que ele nomeará uma mulher negra para o tribunal.

Mas para alguns líderes dos direitos civis, essa era uma pergunta para a qual eles já sabiam a resposta.

Líder dos direitos civis Rev. Al Sharpton disse que lembra que pelo menos em um ambiente privado desde que Biden assumiu o cargo, o presidente reiterou a Sharpton seu compromisso de nomear uma mulher negra para a bancada.

“Ele mencionou que… ele vai manter sua palavra se a abertura surgir”, disse Sharpton.

Sharpton, que disse que já entrou em contato com a Casa Branca desde que a notícia da aposentadoria de Breyer foi divulgada na quarta-feira, disse que planeja pressionar a Casa Branca a continuar pressionando pela reforma dos direitos de voto.

“Estamos felizes por ter uma mulher negra no banco que é qualificada, mas isso não mitiga os direitos de voto”, disse ele. “Os direitos de voto e a reforma da polícia devem ser tratados. Eles não marcaram a caixa.”

A promessa de campanha de Biden foi um “compromisso tão ousado”, disse Marc Morial, presidente da Liga Urbana Nacional, que ele também não questionou se o presidente acabaria por mantê-la. Morial disse que uma de suas principais preocupações era que a Casa Branca agisse com rapidez no processo de confirmação.

Tanto Sharpton quanto Morial disseram à CNN que, por enquanto, não planejam fazer um endosso público a nenhum candidato, dizendo que o presidente deve ter espaço para chegar ao que será sua decisão final.

READ  Betty White é a 4ª atriz de 'Mary Tyler Moore Show' a perder em 2021

“É justo que ele tenha espaço para fazer a seleção, desde que ela seja qualificada”, disse Sharpton. “Enquanto ele cumprir sua palavra, não devemos entrar em uma briga interna sobre qual das escolhas, quando nunca tivemos uma mulher negra. Não devemos desfazer o que poderia ser um grande momento.”

Morial ecoou que seria “contraproducente entrar no jogo da especulação porque muitos dos nomes que foram recomendados são aceitáveis”.

“Não estou recomendando ninguém neste momento porque acho que o presidente deve ter a prerrogativa de tomar uma decisão”, acrescentou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *